Monthly Archives: Dezembro 2019

Estou a Aprender Braille

Estou a aprender Braille. Quero voltar a programar de uma forma confortável e, como usava a visão, decidi aprender Braille. Após alguma insistência consegui um alfabeto Braille, onde as letras normais têm o correspondente em Braille. A Sofia passou com uma caneta nas letras normais, carregando,  de forma que as letras normais também ficassem perceptíveis com o tacto. Ou seja, sozinho consigo estudar o alfabeto e os números de 0 a 9.

 

Fiz progressos e aprendi o alfabeto, estando em ânsias  para tentar ler coisas, para além de A, B, C, etc.

 

Braille: http://www.bengalalegal.com/sbraille

 

A vizinhança tem o hábito de oferecer postais de Natal, metendo-os na ranhura do correio, e o Lupi vai-me buscar o correio, assim que ele entra porta adentro. Hoje de manhã, estava a fazer coisas no computador, e alguém meteu um envelope na ranhura da porta. O Lupi veio pronta e alegremente entregar-mo – outro dia trouxe-me um caixote tão grande e pesado que nem sei como não partiu um dente!

 

Era um postal de Natal de um vizinho.

 

Achei um piadão, porque  o envelope tinha Braille! Infelizmente a minha sensibilidade ainda não está apurada o suficiente, pelo que tudo o que seja Braille não impresso no papel mais adequado, custa-me a percepcionar. Liguei para um voluntário para me ajudar a ver o cartão – há uma aplicação móvel para ligar para voluntários para ajudar a ver:  https://www.bemyeyes.com/

 

Quando abri o envelope, reparei que o próprio cartão também tinha Braille. O voluntário, que era uma senhora brasileira que mora em Londres, segundo me contou, e ficou louca de contente por ajudar. Descreveu-me um cãozinho castanho e leu a mensagem que lá estava dentro. Achei muito fofo a preocupação dos vizinhos em arranjar uma coisa em Braille, vizinhos que eu nem sei quem são – é normal as pessoas acharem que eu sei Braille.

 

Durante o dia, volta-e-meia, peguei no cartão, para tentar decifrar o que lá estava escrito, sem sucesso. O papel é muito Suave. Percebi que o primeiro caracter era o indicador de números, pontos 3, 4, 5 e 6 – uma célula Braille tem 6 pontos, cada um com um número que o identifica. Foi tudo o que consegui entender, das vezes todas que peguei no envelope.

 

À hora de almoço, contei à Sofia o que os vizinhos tinham feito. É reconfortante saber que há gente capaz destes mimos aqui, perto de nós.

 

No final do dia, quando a Sofia chegou casa, estava naturalmente entusiasmado para saber o que estava escrito em Braille, tanto no envelope como no cartão.

 

A Sofia rapidamente me descodificou o “Braille”:

 

Envelope: letras normais mas em relevo a dizer Marks & Spencer;

Cartão: Eram floquinhos de neve feitos com brilhantes…

 

Vou continuar a praticar.

Eu a segurar o cartão e o envelopeFoto de pormenor onde se vê a minha mão a segurar o cartão e o envelope.

O que é que se segue?

Apesar da NF2 estou como estou e onde estou graças a duas coisas que considero fundamentais, o meu “mau feitio” e um enorme conjunto de pessoas incríveis. Muitas delas vão ler isto e é, sobretudo, por causa de saber disso que escrevo este texto.

 

Por me terem ajudado tanto e por acreditar que vão ficar felizes em saber, é com agrado que vou, por fim, defender a minha tese de doutoramento.

 

Deu trabalho e principalmente muito stresse.  5 cirurgias, uma testa nova e várias mudanças grandes de vida depois, a apresentação vai  acontecer dia 9 de Janeiro na UTAD.

 

Obrigado a todos… mas mais à Sofia!

Homem Mais Feliz do Mundo

Nota prévia: Não vejo e o meu olfacto já teve melhores dias.

 

 

Sofia – Tenho aqui uma certa coisa… Senta-te aqui.

Eu – Eh lá! Deixa cá ver…

Uma caixa metida no colo

Sofia – Já é dia 1… (de Dezembro)

Eu – Um Advent Calendar!

Sofia – Oh, adivinhaste logo… Abre lá… O dia um é este…

Mão na janela certa

Eu – Caramba… O chocolate vem embalado a vácuo e tudo! Altíssima qualidade…

Chocolate aberto

Eu – Vá, toma lá um bocadinho. és a primeira.

Sofia – Não, és tu…

Dentada  no chocolate

Eu – Ena, que textura incrível… percebe-se porque é que tem que estar no vácuo…

Sofia – …

Eu – e tem umas notas de sal… está muito na moda e ainda bem, é muito bom!

Sofia – ffdfhghhmff…

Eu – …. É queijo!!!!!!

Rir que nem tontinhos

Homem feliz!

 

Eu a segurar o advent calendar, com metade já comido.